Jovem do IFSP rejeita bolsa de estudos e inicia movimento; veja como ajudá-lo

Adaptado de LALA Alumni Stories por Jessica Kenny

A luta de Guilherme David pela educação surgiu a partir de um evento chocante aos dezessete anos. Devido ao seu desempenho em olimpíadas de Física nacional, ele recebeu a proposta de uma bolsa de estudos completa para a mais prestigiada escola particular da sua região, com a chance única de representá-los no Torneio Internacional de Física. Quando voltava de uma reunião naquela escola, o seu ônibus foi sequestrado. Todos os passageiros foram assaltados à mão armada. Na mesma hora, Guilherme sentiu terror e algo a mais: depois de ouvir uma mulher de meia idade sussurrando o Pai nosso ao seu lado, ele instintivamente colocou a mão sobre a dela. Naquele momento, ele percebeu que eles compartilhavam um sentimento: a necessidade de permanecer vivo. Essa “condição compartilhada”, como ele define, foi suficientemente forte para afastar qualquer um de suas diferenças de idade, origem e religião e promover uma conexão profunda e verdadeira.

Reconhecendo outras condições compartilhadas em suas comunidades, Guilherme decidiu que queria liderar a mudança de dentro para fora. Assim, rejeitou a bolsa de estudos da escola particular e cravou as unhas em sua escola pública: o Instituto Federal de São Paulo – Campus Cubatão (IFSP). Em vez de se tornar um medalhista internacional de física, ele se tornou professor. No ano seguinte, ele fundou o “Preparatório Avançado de Física” – um curso pós-escolar que ajudou dezenas de estudantes a ganhar medalhas nas olimpíadas nacionais e a ingressar nas universidades de maior prestígio do Brasil. Adotando uma abordagem baseada em pontos fortes, Guilherme também iniciou o OrgulhoFederal – uma plataforma que celebra o talento e as realizações dos alunos dos Institutos Federais de todo o Brasil.

Guilherme representando o IFSP – Cubatão em um programa no Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT)

Conexão com a comunidade

Guilherme emociona-se ao se lembrar de chegar às últimas fases das olimpíadas científicas com seu coordenador em um carro pequeno, enquanto enormes ônibus com logotipos de escolas particulares de elite despachavam dezenas de alunos uniformizados, com professores que havia os treinado por muito tempo “Havíamos chegados a um lugar que nunca foi feito para nós.” E por “esse lugar”, Guilherme não está falando apenas de competições científicas. Quando perguntado “pelo que você é mais apaixonado neste momento?”, Ele responde: “Talvez sobre … o Brasil. Mas não quero dizer isso de um jeito clichê. Eu sou apaixonado por descobrir quais são as ‘condições compartilhadas subjacentes’ da minha nação. ” Ele explica: “ Sabe, eu tive a oportunidade de ver os dois lados da moeda.”, referindo-se não apenas aos seus encontros com sistemas público e privado de ensino, mas à sua própria comunidade. Sempre tendo estudado em escolas públicas, ele lembra exemplos de antigos colegas que foram assassinados pela polícia ou presos por envolvimento com organizações criminosas.

“Ser capaz de conectar-me com essa condição que existe tanto deste lado como do outro lado do país chamado Brasil … e ser capaz de esclarecer essa condição por meio da educação … é por isso que sou apaixonado.”

O sonho de Guilherme é fazer pelo Brasil o que ele tem feito em seu próprio ensino médio. Em outras palavras, usar essa ideia de “condição compartilhada” para “elevar os estudantes para fora de um sistema educacional medíocre que serve como uma linha de montagem de um modelo econômico obsoleto”, para uma comunidade de cidadãos engajados, críticos, criativos e pacíficos. Guilherme chama isso de um modelo de “educação holística”, cujos elementos-chave são a presença de espaços para desenvolver interesses pessoais e a disponibilidade de ferramentas para perseguir estas paixões.

Perna-de-pau

Foi isso que o levou aonde ele está e é isso que ele está criando para os outros. Quando Guilherme tinha 13 anos, seu professor de Educação Física teve uma grande influência na sua vida. “O futebol era a única opção nas aulas de educação física e, apesar dos meus muitos esforços, eu era realmente um perna-de-pau. Em certo dia, marquei um gol contra como goleiro. A partir daí, eu passava a ficar no banco em todas as aulas. ”. No entanto, essa inaptidão logo se tornou uma bênção. Para tirar proveito de sua ociosidade, ele passou a levar livros antigos de casa para ler. Seu professor, então, passou a conversar com ele. Com essa aproximação, o seu professor doou-lhe um conjunto de livros didáticos do ensino médio que haviam sido jogados fora. Então, Guilherme passou a estudar toda a química do ensino médio em menos de um ano. “Não sou muito diferente dos meus amigos… eu não nasci inteligente nem em uma família intelectual. Eu apenas tive o privilégio de ter o espaço e as ferramentas para seguir minha paixão ”.

Atitudes concretas

Atualmente, Guilherme fornece as ferramentas e os espaços para os outros através de muitas iniciativas. Hoje, ele trabalha como Chefe de Produto na exemplio, uma plataforma virtual que evidencia histórias de jovens de destaque em múltiplas áreas. Além disso, Guilherme escreveu “O Guia Definitivo Para Entender Física”, um livro que compila suas anotações de dois anos como professor e aluno de Física. Seu objetivo a longo prazo é estudar Ciência da Computação e usar a tecnologia como uma ferramenta para escalar a educação holística no Brasil.

Mais recentemente, Guilherme foi selecionado para o LALA Academy, um programa de três meses na Colômbia que reúne 20 jovens latinos envolvidos com empreendedorismo social e liderança. Apesar de ter conseguido arrecadar uma bolsa de 50%, ainda lhe faltam recursos para arcar com que falta. Por isso, ele está arrecadando fundos com a sua Vakinha virtual e através de vendas de seu livro.

Guilherme David

Fundador do OrgulhoFederal e da exempl.io. Formado no IFSP - Campus Cubatão em 2018, Guilherme tem a missão de promover uma educação holística no Brasil.

Comentários